Recuperação de Desastres de TI: saiba como montar um plano ideal

Veja 5 passos para montar o plano de recuperação de desastres de TI para seus clientes!

pessoas em um brainstorm

O plano de recuperação de desastres de TI, é um processo de extrema importância para os MSPs. Pois, ele orienta todas as medidas que deverão ser tomadas, caso o cliente passe por algum evento crítico.

Hoje, a dependência de uma equipe de TI nas empresas de todos os setores, está cada vez maior. Isso, por consequência do acelerado desenvolvimento da tecnologia, automatização dos meios de comunicação e dos processos, entre outros fatores.

Por conta dessas empresas dependerem de softwares, sistemas e dados em sua rotina, o mau funcionamento ou a paralisação de suas operações podem afetar demais setores do negócio, prejudicando todo o trabalho.

E com o alto volume de usuários, uma flexibilidade na navegação web e instalações de programas, as empresas estão sujeitas a erros e perigos em todos os momentos. Mas, você sabe o que fazer se algum risco se tornar real?

Nesse texto, vamos falar sobre o plano de recuperação de desastres de TI e como você pode se planejar para evitar falhas nos sistemas dos seus clientes. Ficou curioso? Então, acompanhe a leitura e confira!

Recuperação de Desastres de TI: saiba como montar um plano ideal

O que é o Plano de Recuperação de Desastres de TI?

O objetivo do plano de recuperação de desastres de TI é a restauração dos processos, sistemas e dados perdidos, de maneira prática e ágil. Sendo assim, em situações de incidentes, todos os processos e as operações do negócio serão reestabelecidos facilmente.

Não importa qual seja o tamanho da empresa, você como responsável pela TI, precisa trabalhar na prevenção e remediação da paralização dos serviços. Pois, pode acabar afetando as operações daquele negócio, desde uma simples falha no recebimento e envios de e-mails, até o faturamento da empresa.

Por isso, é muito importante ter a garantia de que as consequências sejam as menores possíveis, caso algum desastre ocorra. E, para isso, precisa-se desenvolver estratégias e ações para a recuperação de dados, assim como contar com soluções de backup e recuperação de desastres.

Quais os objetivos de um Plano de Recuperação de Desastres de TI?

Quando falamos sobre os objetivos de um plano de recuperação de desastres de TI, eles estão alinhados em garantir o total funcionamento de uma organização, após uma falha não prevista. Minimizando, assim, todos os impactos que podem afetar a empresa.

Sendo assim, o plano de recuperação busca sempre a alta disponibilidade e garante, também, que todos os processos sejam reestabelecidos. Lembre-se de que é fundamental levar em consideração a antecipação e prevenção dos dados, preparando-se para a recuperação das informações em situações de desastres.

Ou seja, podemos falar que o plano se resume em 3 principais objetivos. São eles:

1 – Prevenção

Um dos objetivos do plano de recuperação de desastres de TI, é estabelecer certas medidas em relação à segurança para prevenir a perda de informações e as consequências em casos de possíveis desastres.

A regra 3, 2, 1 pode ser muito útil para a garantia de redundância em seu backup. Ela sugere que todo Prestador de Serviços Gerenciados de TI faça 3 cópias de todos os dados e informações dos seus clientes. Sendo elas, 2 em tipos de mídias diferentes e 1 feita em um ambiente fora do corporativo.

Dessa forma, o MSP consegue garantir uma segurança muito mais eficaz e deixa de depender apenas de um local de armazenamento. Lembre-se de que para um backup ser realmente eficaz, ele precisa seguir a regra 3x2x1, obrigatoriamente.

2 – Mitigação

Outro objetivo importante do plano de recuperação de desastres de TI, é a mitigação. Ou seja, iniciar o processo de recuperação das informações e dados de uma maneira muito mais rápida e prática, para reduzir o impacto gerado na empresa.

Não é nada fácil realizar o planejamento para a recuperação de desastres. Afinal, ele envolve uma detalhada análise de toda a estrutura digital e física do seu cliente. Então, tenha um olhar criterioso sobre o banco de dados, aplicativos, configurações, equipamentos, entre outros.

Dessa forma, é importante definir todos os componentes e configurações envolvidas no plano para facilitar todo o processo de recuperação dos dados.

Procure estabelecer:

  • Tempo de recuperação estimado (RPO, RTO MTD e WRT);
  • Pontos de contato;
  • Métodos alternativos de recuperação;
  • Locais de recuperação;
  • Ordem e prioridade de sistemas e dispositivos.

5 passos para fazer o seu Plano de Recuperação de Desastres de TI

Agora que você já viu o que é o plano de recuperação de desastres de TI e seus objetivos, chegou a hora de saber 5 passos para montar o seu.

Sabendo lidar com o seu plano, você pode se antecipar e preparar-se para qualquer acontecimento que possa atingir os seus clientes.

Em seu planejamento, procure detalhar todas as ações e atitudes que devem ser tomadas antes, durante e depois do ocorrido.

Mas, sobre quais acontecimentos estamos falando até agora? São aquelas falhas por causas acidentais ou propositais. Ou seja, incêndios, temporais, inundações, crimes cibernéticos, problemas operacionais no sistema, ações propositais ou não propositais de usuários, entre outros riscos.

Sabemos que estamos falando de perigos que podem realmente prejudicar o negócio dos seus clientes e, por consequência, até mesmo a sua reputação no mercado. Mas, existem ações que podem evitar este problema.

Veja abaixo como iniciar um plano de recuperação de desastres de TI:

1 – Testes de recuperação

Primeiramente, é fundamental que você realize testes de recuperação. Afinal, de nada adianta realizar um backup, se os dados não forem realmente recuperados com essa ação no servidor ou na nuvem.

Com esses testes, você garante a efetividade da recuperação dos dados, caso ocorra algum incidente com o sistema.

2 – Avaliação de riscos

Com a avaliação de riscos, é possível minimizar as vulnerabilidades e melhorar a análise de todas as ameaças de desastres e perigos que estão no mundo digital, podendo afetar o negócio de seus clientes. Ainda mais, quando falamos sobre ataques hackers e cibernéticos.

Inclusive, pensando em cibersegurança, um dos recursos do nosso RMM é o Web Protection, que tem a proteção e a segurança do usuário como seu foco. Sua função é impedir que tal usuário ou alguma aplicação feita em segundo plano, tenha contato com sites maliciosos.

Com esse recurso, é possível criar políticas e modificações, aplicando-as de uma vez só em todas as máquinas. Além disso, você pode, também, criar certas exceções. Por exemplo, liberar algum site que está na lista de páginas bloqueadas para determinado usuário ou departamento do seu cliente.

3 – Objetivos de tempo de recuperação e pontos de restauração

Esses dois termos, também conhecidos como RTO e RPO servem para que, mediante a um incidente, você já tenha mapeado quais as variáveis de tempo durante o processo e restauração são tolerados e esperados pela operação da empresa. Dessa forma, cumprindo com esses objetivos de tempo, os impactos do desastre são minimizados atendendo os processos definidos em contrato.

4 – Plano de continuidade de negócios

O plano de continuidade de negócios, deve ser feito junto com o seu cliente. Pois, precisa-se alinhar todas as atividades da organização, com os objetivos para garantir a continuidade daquela empresa.

Como, por exemplo, estruturação de operação, políticas internas e a classificação dos sistemas para você conseguir identificar quais são os pontos críticos.

5 – Estratégias de recuperação e desastres de TI

É essencial definir as medidas que precisam ser tomadas para que os negócios de seus clientes consigam retornar ao seu funcionamento normal, no menor tempo possível, priorizando as ações mais importantes e pontuais.

Sendo assim, o seu plano de recuperação de desastres de TI precisa estar atualizado para que tenha um melhor desempenho, com toda a documentação correta, tendo em vista todos os interesses das organizações que você é responsável.

Seguindo esses passos, com certeza, você conseguirá fazer o seu plano de recuperação de desastres de TI. Se você gostou desse conteúdo, não deixe de acessar o MSP Blog. Nele, você encontra diversos conteúdos gratuitos para manter-se sempre atualizado no mercado!

Autor: Rodrigo Gazola

Especialista no mercado de prestação de serviços em TI, é considerado um pioneiro no modelo de Serviços Gerenciados (MSP) no Brasil. Apesar de possuir amplo conhecimento no modelo e no mercado MSP, seu verdadeiro fascínio está no universo do Backup, Backup, Backup! Com formação acadêmica em Eletrônica, Gestão em TI e um MBA em TrendsInnovation, demonstra paixão pelo que faz e nunca se cansa quando se trata de trabalho e aprendizado. Muitos dizem que o segredo do seu equilíbrio está nos 4 "B"s que adotou há algum tempo: Beer, Bike, Barbecue e Backup.

Sair da versão mobile